Onde a felicidade não está presente

Onde a felicidade não está presente

326
SHARE

Onde a felicidade não está presente

O rei Salomão entregue às cogitações de seu coração, numa conversa consigo mesmo, disse: “Vamos! Eu te provarei com a alegria; goza, pois, a felicidade; mas também isso era vaidade” (Ec 2.1). Salomão foi o homem mais rico de sua geração. Sua fama era notória. Seu poder era colossal. Seu reino era esplêndido. Mesmo cercado de tanta pompa e luxo, mesmo habitando no pináculo do sucesso, mesmo sendo o rei mais conhecido e famoso de sua geração, perdeu-se nos labirintos de sua própria alma. Enfastiado com o glamour do mundo, Salomão procurou a felicidade em fontes onde ela não estava presente.
Em primeiro lugar, Salomão buscou a felicidade na bebida (Ec 2.3). Pensou que a felicidade estava no fundo de uma garrafa. Mas a alegria do vinho é passageira e as consequências da embriaguez são danosas. Muitos ainda hoje entregam-se à bebedeira para a ruína de sua vida, para a destruição de sua reputação e para a dissolução de sua família. A alegria etílica evapora rapidamente. Não suporta as crises da vida. A verdadeira alegria está em Deus. Só na presença de Deus há plenitude de alegria e delícias perpetuamente.

Em segundo lugar, Salomão buscou a felicidade na riqueza (Ec 2.4-8a). Acumulou bens e granjeou fortunas colossais. Vestia-se regiamente. Estava cercado de ouro e pedras preciosas. Mas o brilho da riqueza não passa de bolha de sabão, tem muito colorido, mas nenhuma consistência. Salomão, mesmo sendo rico e o mais rico de sua geração, não encontrou na riqueza a verdadeira felicidade. A riqueza material é ainda hoje a alavanca que move as pessoas e o vetor que governa muitos corações. Quantos relacionamentos são sacrificados! Quantas injustiças são feitas! Quantos crimes são praticados por causa do amor do dinheiro!

Em terceiro lugar, Salomão procurou a felicidade nas aventuras sexuais (Ec 2.8b). Proveu para si mulheres e mulheres. Teve setecentas princesas e trezentas concubinas. Mas as aventuras românticas e as paixões carnais não preencheram o vazio do seu coração. Vivemos numa sociedade erotizada. O sexo é vendido como um produto vital para a felicidade humana. A indústria pornográfica move bilhões de dólares todos os anos. Quanto mais, porém, as pessoas se entregam às aventuras sexuais mais infelizes e vazias elas se tornam. O sexo é bom, puro e deleitoso, mas só é legitimamente usufruído no âmbito sacrossanto do matrimônio. Dentre suas mil mulheres, Salomão não encontrou nenhuma sequer, porque a felicidade não está na multiplicidade de parceiros sexuais, mas na fidelidade do casamento monogâmico.

Em quarto lugar, Salomão procurou a felicidade na fama (Ec 2.9,10). Tornou-se grande, sobrepujou-se a todos os seus antecessores. Abasteceu seu coração com tudo o que desejou seus olhos, porém, ao final reconheceu que todas essas coisas não passaram de vaidade (Ec 2.11). Multidões e multidões, ainda hoje, trafegam na passarela da fama sob as luzes da ribalta. Chegam ao topo de suas realizações e conquistas. Tornam-se famosos, são conhecidos e reconhecidos no mundo, mas todo esse glamour não preenche o vazio do coração, não satisfaz aos reclamos da alma, não produz verdadeira felicidade. Salomão transcendeu a todos os de sua geração em esplendor. O mundo inteiro olhava para ele com admiração. Todos apostavam que ele era o homem mais feliz do mundo. Porém, inobstante estar cercado de riqueza, fama e glórias humanas, nutria em seu coração uma tristeza crônica, pois a alegria que o mundo dá é rasa, passageira e insuficiente.

Ao final de sua vida, Salomão chegou à conclusão de que só o temor de Deus dá sentido à vida (Ec 12.13). Agostinho de Hipona disse que Deus nos criou para ele e somente na presença dele encontraremos sentido para nossa vida. Você é uma pessoa feliz? Onde você está buscando a felicidade? Pare de correr de um lado para o outro. A verdadeira felicidade está em Deus, e nele somente.

::Hernandes Dias Lopes

Share

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY